Quarta-feira, Agosto 18, 2004

e eis você de novo, insano pelas ruas espalhando o que ninguém vê, ouvindo maravilhas que o barulho esconde, eis você de novo só como um cão, uivando no asfalto para que alguma lua surja, lua cheia, lua calma, lua que receba as oferendas tantas, que ouça os cânticos todos e te receba no colo branco e leve que essa cidade te nega dia após dia.

semáforos, carros, gente por todo lado. outro dia de cão.
(ouça aqui a versão falada)