Sexta-feira, Dezembro 08, 2006

o que as ruas ecoam não diz muito, fachadas só propagam buzinas e motores, trovões e tiros secos, e aquilo que o peito grita morre entre quatro paredes.

em letras mudas componho acordes que o vento espalha, bits e bites rugindo de fome por fomes iguais.