Quinta-feira, Junho 28, 2007

caiu chuva, cai a noite, saio a pé.

carros passam, não têm pressa, e eu me embebo embevecido no som molhado de pneus no asfalto, dos motores macios e seus óleos e aço, e sorrio enternecido com os murmúrios maquinais da rua escura.

amar é isso, saborear as entrelinhas da respiração tranqüila.