Terça-feira, Dezembro 02, 2008

eu não preciso ver para saber que na madrugada o obelisco impenetrável brilha, aceso como essa chama lenta que em torno dela a noite quente gira, tonta, qual mariposa atônita.